Tiago Mateus

_9980139 1.jpg

Sinopse

Na sua estreia como orador num festival de fotografia, Tiago Mateus fotógrafo de Almada, vem ao festival IRIS falar da sua experiência como fotógrafo de paisagem residente numa grande área metropolitana e de como conciliar fotografia na natureza com a vida numa grande cidade.

Nesta palestra dará a conhecer três dos seus projectos fotográficos — "Office", a paisagem natural da costa Atlântica tanto a norte como a sul da foz do rio Tejo, as rochas, a areia, a água e os rostos. — "Brume", uma abordagem cinematográfica à fotografia de bosque no Parque Natural Sintra-Cascais, as personagens e o argumento num projecto onde a natureza é protagonista — "Pinus Pinea", o Pinheiro Manso, histórias das árvores mártires da costa portuguesa.

Na apresentação que contará com alguns apontamentos de vídeo, Tiago vai partilhar a sua forma muito pessoal e íntima de sentir a paisagem expressa em criação artística num misto de sensações.

Biografia

Nascido em Lisboa em 1981 e residente em Almada, Tiago Mateus formou-se em engenharia e diz possuir uma alma de engenheiro mas sempre foi amante da natureza, da praia e do mar. Depois de terminar o mestrado em Ciência dos Materiais começou a sentir um vazio dentro de si, uma necessidade de criar algo que não obedecesse à régua e esquadro da ciência. Foi só recentemente, em 2014, que comprou a sua primeira máquina fotográfica e a partir daí descobriu sem grande sucesso diferentes tipos de fotografia; fotografia de rua, retrato e viagem. Mas foi só a partir de 2016 que começou a refugiar-se nas suas longas caminhadas pela natureza e que começou a perceber que o vazio que sentia podia ser preenchido com a Arte de captar paisagens.

Desde então percorreu a pé muitos quilómetros de costa, desfrutou das tardes calmas  relaxantes, das manhãs frias, dos magníficos pores-do-sol, do vento e da chuva — ao longo do caminho conseguiu realizar com sucesso as suas primeiras fotografias de qualidade e todos esses pequenos momentos de conquista motivaram-no a progredir e a continuar a criar fotografia.

Em 2019 conseguiu o seu primeiro trabalho profissional como fotógrafo na área do cinema de animação. Mas as paisagens não foram esquecidas, muito pelo contrário, são quase uma obsessão, um chamamento do mar, do vento, das rochas, da maresia; uma necessidade intrínseca de criar e sentir a arte fotográfica fluir. Não foram esquecidas pois este foi também o ano em que Tiago iniciou o seu primeiro projecto de fotografia, o "Office" que documenta através da sua forma de sentir a paisagem de costa perto da sua casa, desde a Ericeira passando pelo Cabo da Roca até ao Cabo Espichel.

Em 2020 iniciou outro projecto, o "Brume", um projeto cinematográfico com raízes fotográficas, com argumentos fracos e preocupado apenas com questões estéticas e de composição fotográfica que se desenrola nos bosques do parque Natural Sintra-Cascais.

Um ano depois, em 2021 iniciou mais um projecto pessoal, o "Pinus Pinea" dedicado à espécie do Pinheiro Manso e às matas desta espécie que ocorrem em alguns pontos da costa portuguesa. Neste projecto fotográfico, Tiago retrata o pinheiro-manso selvagem, pinheiro que cresce, sobrevive, parte e cai, que tem uma história para nos contar sobre a sua lendária força e tenacidade para resistir às difíceis condições climatéricas do litoral.

Já em 2022 iniciou o seu mais recente projecto "Flat Horizons" que vai ser desenvolvido ao longo da costa Vicentina.

Voltando a 2021 fundou o canal de Youtube "Tiago Mateus Landscape Photography" onde partilha as suas saídas fotográficas numa abordagem mais cinematográfica ao tradicional Vlog. O resultado deste trabalho em vídeo chegou em 2022 com a estreia da sua primeira curta-metragem documental "Sentir", que retrata a sua forma de sentir e experienciar a paisagem do Parque Natural Sintra-Cascais. O filme é uma viagem sensorial pela natureza, traduzida pela expressão artística onde as condições climatéricas e a natureza assumem o papel principal.