Ângelo Jesus

_AJ.jpg

Sinopse

Venho ao Festival IRIS falar sobre o meu trabalho, ao longo dos últimos sete anos, a fotografar as árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Como o título da apresentação sugere, irei também falar sobre aquilo que encontro para além delas e que muitas vezes se transforma numa viagem interior. Venho acima de tudo, falar das árvores numa perspetiva mais romântica e artística, mas também das florestas como espaços de estímulo à criatividade e expressão pessoal.

Biografia

Nascido no Porto em 1967, comecei cedo a estabelecer uma profunda ligação com o mundo natural, através da prática do montanhismo. A fotografia surgiu depois, primeiro apenas como forma de registar memórias e lugares, vindo a tornar-se mais tarde numa interpretação de experiências na natureza e um meio de expressão pessoal.
O Parque Nacional da Peneda-Gerês é quase uma segunda casa para mim. Um território que visito frequentemente, que está na génese da minha paixão pela fotografia de natureza e onde contruí uma grande parte do meu portefólio. 
Desenvolvo também um projeto pessoal no Parque das Serras do Porto, onde maioritariamente abordo a paisagem local, numa perspetiva mais intimista e experimental.
Hoje, continuo a ser um apaixonado pelas montanhas, mas é no meio das árvores que me sinto em plena sintonia com a natureza e onde encontro maior inspiração para criar e desenvolver o meu trabalho fotográfico.
Embora a fotografia de natureza não seja a minha profissão, tornou-se certamente numa parte relevante da minha vida. De alguma forma, vivo-a diariamente, mesmo sem a câmara.